quarta-feira, 28 de maio de 2008

Faz hoje 47 anos

Era cerca de meio-dia, do dia 28 de Maio de 1961, quando o N/M Niassa se fez ao largo ao som do Hino Nacional com destino a Angola.
Ainda me parece estar a ouvir as três ensurdecedoras e prolongadas buzinadelas do navio, no momento da partida.
-
Deixo o pai e deixo a mãe
Deixo namorada a chorar!
Levo todos na lembrança
Tenho esperança de voltar!
-
Tal há-de ser quem quer, co dom de Marte,
Imitar os Ilustres e igualá-los:
Voar co pensamento a toda a parte,
Adivinhar perigos e evitá-los,
Com militar engenho e subtil arte,
Entender os immigos, e enganá-los,
Crer tudo, enfim: que louvarei
O Capitão que diga: "Não cuidei."
Luís de Camões - "Os Lusíadas", Canto VIII-LXXXIX
-
Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
muda-se o ser, muda-se a confiança;
todo o mundo é composto de mudança,
tomando sempre novas qualidades.
-
Continuamente vemos novidades,
diferentes em tudo da esp'rança;
do mal ficam as mágoas na lembrança,
e do bem, se algum houve, as saudades.
Sonetos (inc.) - Luís de Camões


3 comentários:

NOCA disse...

Esta é uma das grandes qualidades do épico e do poeta: dizer as coisas complicadas de um modo simples e aplicável a todos os tempos e lugares, desde que consequentes.
O nosso bloguer VALHOR tem o condão de respigar do Grande Épico as passagens universais da sua obra e aplicar aos nossos pequenos feitos de hoje, com a maior propriedade e oportunidade.

José Monteiro disse...

Olá.

Parabéns pela excelente iniciativa de publicar este convívio na net. Fiquei muito conte de la ver o meu pai e a minha mãe. Ao autor da iniciativa os meus sinceros parabéns.

José Monteiro

José Monteiro disse...

Olá.

Parabéns pela excelente iniciativa de publicar este convívio na net. Fiquei muito conte de la ver o meu pai e a minha mãe. Ao autor da iniciativa os meus sinceros parabéns.

José Monteiro